Razões para Investir

Existem várias razões para investir em ações e em outros instrumentos financeiros:

  • Realização de capital. Os investidores obtêm rendimento do seu investimento de duas formas: devido ao aumento do preço das ações; e através de dividendos distribuídos pelos acionistas, dependentes do rendimento anual das empresas. A rendibilidade das obrigações é realizada através do recebimento de juros, pagos normalmente uma vez por ano.
  • Flexibilidade financeira. As ações podem ser compradas ou vendidas em qualquer altura durante o dia de negociação. Trata-se de ativos financeiros líquidos, ao contrário de outros investimentos, os valores imobiliários, por exemplo. A estrutura financeira das ações pode permitir aos investidores vender quando necessitem obter capital rapidamente, caso surja uma urgência financeira. 
  • Benefícios fiscais. Investir em ações e em investimentos relacionados com ações pode proporcionar reduções fiscais ou outros benefícios. Benefícios fiscais. Investir em ações e em investimentos relacionados com ações pode proporcionar reduções fiscais ou outros benefícios. Um bom exemplo disso é o Plano de Poupança em Ações em Portugal, o Plan d’épargne en actions (PEA) francês ou o regime de imposto sobre rendimento de capitais belga. Estes benefícios fiscais variam de país para país e são regulados por leis sujeitas a alterações. Embora alguns investidores considerem os benefícios fiscais importantes, este não é, porém, um factor determinante para se investir em ações. 
  • Diversidade da carteira. Regra geral, quanto mais potencialmente rentável for o investimento, mais elevado é o seu risco. As ações podem gerar ganhos muito elevados durante um determinado período, mas podem também representar um sério risco de perda financeira. Ao constituir a carteira de investimento, os investidores individuais optam geralmente por combinar diferentes classes de ativos a fim de minimizar o risco. Consideram também um horizonte de investimento: Quanto mais longa for a duração do investimento, mais interessante será investir em ativos relativamente arriscados, ações por exemplo, uma vez que a sua rendibilidade tende a exceder as perdas ao longo do tempo.
  • Contribuir para o crescimento de uma empresa ou de uma economia. Ao investir em ações, os investidores individuais podem estar a contribuir para o desenvolvimento das empresas; investidores experientes selecionam geralmente empresas com grande potencial de crescimento.

Investir apresenta igualmente desvantagens, que o potencial investidor deve considerar:

  • Risco de perda. Este risco varia de acordo com o tipo de ativo financeiro. Poderá praticamente não existir risco se a obrigação for comprada no momento da emissão e for mantida em carteira até à sua maturidade. No entanto, o investidor arrisca-se a uma perda se vender a obrigação antes da data da maturidade. Se o mercado estiver em baixa, os preços de venda poderão ser inferiores ao preço de emissão. Vender antes da data de maturidade implica também o risco da perda do pagamento de potenciais juros. Devido à volatilidade intrínseca dos preços das ações, o factor de risco pode ser mais elevado do que em relação às obrigações. Na negociação de warrants, é possível perder a totalidade do investimento inicial. Regra geral, os investidores experientes reduzem o risco de perda ao diversificarem a sua carteira. 
  • Gestão da carteira. É necessário gerir a carteira de uma forma correta eregular, especialmente quando o investidor está a considerar vender alguns dos seus ativos financeiros. Nos mercados financeiros, muitos investidores entendem ser efetivamente mais difícil vender do que comprar.
  • Aquisição de conhecimentos financeiros. Ainda que sendo aconselhado por um consultor financeiro, a decisão de comprar, vender ou deter cabe sempre ao investidor. Investir em ações ou em produtos financeiros exige um investimento na aquisição de conhecimentos sobre produtos financeiros, mercados e sobre as economias.