Newsletter Trimestral - T2 2016

Uma Bolsa verdadeiramente Pan-Europeia

A Euronext é hoje uma bolsa líder, europeia, e independente, empenhada em apoiar a economia real e a gestão de risco. O foco da atuação da Euronext, a sua essência e a sua principal fonte de sustentabilidade são as empresas.

E gostava aqui de realçar que se trata, de facto, de uma bolsa única e pan-europeia. As empresas cotadas na Euronext, seja através de Paris, Bruxelas, Lisboa ou Amesterdão, negoceiam sob a mesma plataforma de negociação, com regras de admissão e negociação únicas, e uma base de investidores e intermediários financeiros globais. 

Deste modo, as empresas e os investidores beneficiam das economias de escala proporcionadas pelo modelo de negócio adotado pela Euronext, garantindo-se a visibilidade transnacional junto da comunidade de investidores, em simultâneo com o apoio de uma equipa local especializada. 

Consequentemente, discutir ou analisar em sentido estrito o mercado português, parece ser uma visão redutora desta realidade. As empresas portuguesas cotadas na Euronext fazem parte de uma realidade muito mais vasta, com benefícios e serviços que vão muito para além da realidade do ecossistema financeiro português.

O Grupo Euronext conta com cerca de 1300 emitentes, das quais cerca de 700 correspondem ao segmento Enternext, dedicado às empresas de menor dimensão, às SMEs do mercado de capitais. Em 2014 e 2015, no Enternext entraram 65 novas empresas SMEs, que levantaram cerca de €2 mil milhões de capital no IPO.  Neste período as empresas já cotadas no Enternext realizaram operações de levantamento de capital (operações subsequentes ao IPO) de cerca de €9,6 mil milhões e emissões de obrigações de €5 mil milhões.

E é neste grupo que as empresas portuguesas e os intermediários financeiros que as possam apoiar podem encontrar certamente muitos exemplos inspiradores. E é também neste grupo, que um vasto leque de investidores internacionais tem encontrado oportunidades de investimento, em empresas e sectores com interessantes histórias de crescimento. E este é certamente um grupo ao qual mais empresas portuguesas poderiam pertencer, beneficiando de uma Bolsa verdadeiramente pan-europeia e de um ecossistema financeiro global.

Isabel Ucha, CEO Interina Euronext Lisbon